Conheça nosso primeiro grupo de 2022 de jovens bolsistas de Mídia Comunitária Indígena

August 12, 2022

In English

En español

A Cultural Survival tem o prazer de anunciar nossos bolsistas Juventude Mídia Comunitária Indígena 2022 como parte do Programa de Capacitação. Nosso Programa de Bolsas apoia jovens líderes Indígenas entre 16 e 28 anos de idade, ansiosos para aprender sobre tecnologia, desenvolvimento de programas, jornalismo, rádio comunitária, mídia e defesa dos direitos dos Povos Indígenas. Este é o quinto ano do Programa de Bolsas de Estudo, que já concedeu 57 bolsas de estudo a 77 jovens até o momento. A capacidade dos bolsistas é construída através de treinamentos em comunicação e habilidades técnicas, como rádio, mídia audiovisual e jornalismo, e culmina com a realização bem-sucedida de projetos de mídia.

 
As bolsas permitiram aos jovens desenvolver capacidades em direitos Indígenas, línguas Indígenas, culturas e conhecimentos tradicionais. É uma oportunidade de ajudar os bolsistas a representar as vozes de suas comunidades e trazer a consciência de questões locais para conversas globais através de seus projetos propostos, enquanto fortalecem suas identidades culturais e liderança. Acreditamos que os jovens detêm o poder de mudar a dinâmica do mundo. Se queremos uma mudança duradoura, devemos apoiar os líderes jovens Indígenas para que essa mudança seja possível. A participação de nossos jovens Indígenas é crucial para fortalecer a autogovernança, proteger os direitos da terra, combater a mudança climática, conter a perda da biodiversidade, restaurar os ecossistemas e cuidar do nosso patrimônio cultural.

 

Conheça nosso primeiro grupo de bolsistas 2022!

 

Aarati Linkha (Yakkha) do Nepal

Aarati Linkha (Yakkha), 20, da comunidade Kirat Yakkha no Nepal, é uma estudante de graduação em Direito. Ela é uma jovem entusiástica e  é uma jovem entusiasta e animada que quer trabalhar no campo da proteção e promoção de sua cultura e língua Yakkha, que está a ponto de ser silenciada. Aarati é membro de Naya Yuba Naya Soch Sewa Samaj, uma organização no Nepal que trabalha no campo da capacitação da juventude. Ela planeja seguir sua carreira no campo jurídico e ser a voz dos sem-voz. Estando longe de casa desde seu quarto aniversário para uma melhor escolaridade, ela nunca teve a oportunidade de ver de perto sua língua e cultura Indígena durante sua infância, o que a levou a enfrentar uma crise de identidade. Ela também testemunhou mudanças ambientais drásticas e urbanização não gerenciada nas comunidades Indígenas, o que a levou a defender os direitos Indígenas e a trabalhar no campo da proteção ambiental. Ela escreve e defende os direitos da mulher e a igualdade de gênero: "Não estarei satisfeita com meus direitos de mulher até que toda mulher rural e Indígena conheça seus direitos".
Seu projeto de bolsa, "Jovens pela proteção da cultura Yakkha", tem como objetivo promover e fortalecer a cultura Yakkha, a língua e os ensinamentos tradicionais entre os jovens Yakkha. As gerações mais jovens Yakkha serão encorajadas a aprender mais sobre sua língua e cultura através de sua participação na criação de programas de rádio sobre a cultura Yakkha. Serão realizadas oficinas para desenvolver suas habilidades na rádio comunitária e revitalizar sua identidade Indígena.

 

Alejandra Santiago Donghu (Hñañhu) do Mexico

Alejandra Santiago Donghu (Hñañhu), 22 anos, é originária da comunidade de Gonzales Ortega, município de Santiago de Anaya. Ela vive atualmente na comunidade de Cerritos, no Estado de Hidalgo. Ela está em seu último semestre na UAEH campus de Actopan, onde está se formando em psicologia, e é locutora de programas na estação de rádio comunitária Ximai. Ximai é membro da Rede de Rádios Comunitárias do México, A.C., uma rede nacional de 62 comunidades Indígenas e estações de rádio que servem as comunidades em defesa dos direitos humanos e exercem a liberdade de expressão com uma visão alternativa de comunicação e conteúdo diversificado sobre a perspectiva de gênero. Através das rádios comunitárias, Alejandra foi capaz de transmitir o conhecimento de sua cultura Hñañhu e aprendeu a falar o dialeto.

 
Seu projeto de bolsa, "Mets'i", busca fortalecer e fortalecer a participação dos jovens na Rádio Comunitária Ximai não apenas como ouvintes, mas como comunicadores que podem compartilhar suas experiências e criatividade enquanto aprimoram suas habilidades nas rádios comunitárias. Quatro oficinas de capacitação serão realizadas com seis jovens na produção radiofônica, língua e cultura Hñañhu para promover a identidade Indígena, e criação artística para criar produções radiofônicas mais diversificadas em diferentes mídias através da liderança e histórias de jovens criadores. A Ximai Radio transmitirá os produtos finais. O objetivo é gerar a revitalização da cultura Hñañhu, e para que mais jovens Indígenas vejam a rádio Ximai como uma fonte de confiança e um espaço para fortalecer sua liderança.


 

Carina de Souza Moraes (Horopakó Desana) do Brasil

Carina de Souza Moraes (Horopakó Desana), 28 anos, é de Novo Airão, na região amazônica do Brasil. Ela é professora em formação e trabalhou em comunidades Indígenas na luta pelo acesso à tecnologia digital nas escolas. Hoje, ela defende o direito das culturas Indígenas fazerem parte do currículo escolar e serem incorporadas ao sistema de educação colonial para manter vivas as culturas Indígenas entre as gerações futuras. Ela está em processo de candidatura a um curso de Direito para fortalecer seu sonho de ter uma sociedade que respeite a diversidade. Carina diz: "Com os jovens Indígenas protagonistas desta era moderna, podemos desmarcar as telas com um urucum e genipapo, sem medo e sem vergonha", hoje nossos jovens Indígenas são agentes de uma nova era, orgulhosamente/sem medo e/ou vergonha usando a pintura corporal tradicional com urucum e genipapo, a pintura milenar da floresta".

 
Seu projeto de bolsa, "Pehkame Mashã", aspira a capacitar 12 jovens em liderança e mídia comunitária para participar ativamente das transformações sociais em suas comunidades, "reflorestando" boas idéias e boas práticas impulsionadas pela expressão artística e ferramentas de mídia visual. Serão realizados workshops sobre produção audiovisual, liberdade de expressão, fotojornalismo e comunicação que fortalecerão suas habilidades de gestão e trabalho em rede e identidade e cultura Indígenas.

 

Cristina Ochoa Ochoa (P’urhépecha) do Mexico

Cristina Ochoa Ochoa (P’urhépecha), 28, é de Charapan, Michoacan, México. Ela é historiadora, administradora e promotora cultural atualmente estudando para um diploma em Preservação de Arquivos de Som e Audiovisual da Escola Nacional de Conservação e Museografia e Fonoteca Nacional. Em 2020 ela fundou o coletivo Amor de Meseta, uma comunidade de comunicação audiovisual com o objetivo de administrar, colaborar e executar ações e projetos relacionados com conhecimento comunitário e a preservação da identidade P'urhépecha, sua tradição oral, arte, cultura e tecnologias.


Seu projeto de bolsa, "Pretextos Visuales", visa fortalecer e promover a cultura P'urhépecha através da fotografia física e digital. Oficinas serão feitas com 20 meninos e meninas P'urhépecha ensinando as diferentes formas de fotografia. Os participantes criarão retratos que serão bordados com a técnica tradicional P'urhépecha e serão exibidos em uma exposição fotográfica final. Além disso, quatro novos murais localizados em diferentes áreas da comunidade promoverão a linguagem Purhépecha.


 

Daniele Silva Rodrigues (Guajajara) do Brasil

img

Daniele Silva Rodrigues, 24 anos, é do povo Guajajara da comunidade de Araribóia, no Maranhão, Brasil. Ela faz parte da equipe de comunicação da Articulação Nacional das Mulheres Indígenas Guerreiras de Ancestralidade (ANMIGA). Daniele é ativa no movimento Indígena desde a infância, sempre acompanhando as causas e direitos dos Povos Indígenas. Em 2021, na segunda marcha das Mulheres Indígenas (com quase 6.000 mulheres de diferentes Nações Indígenas), ela ajudou a mobilizar redes, gráficos impressos e distribuiu conteúdo audiovisual para tornar visível a resistência das mulheres Indígenas.


Seu projeto de bolsa, "O projeto ComunicAgir: 'Mídia e Direitos das Meninas Indígenas', visa envolver a juventude Indígena no Maranhão para fortalecer as jovens Indígenas na luta contra a violência de gênero e em defesa da Mãe Terra. Serão realizadas oficinas informando às jovens Indígenas sobre seus direitos, assim como o desenvolvimento de material audiovisual e outras formas de mídia como boletins informativos, música e comunicação como ferramenta. O conteúdo será desenvolvido a partir das oficinas para distribuição nas mídias sociais. Também serão organizados intercâmbios para melhorar a rede de jovens mulheres Indígenas vítimas de violência e para discutir a importância das mulheres Indígenas como protagonistas em espaços políticos e de tomada de decisões que impactam suas comunidades.

 

Taboi Emmanuel Kiplimo (Ogiek) do Kenia

img

Taboi Emmanuel Kip (Ogiek), 25 anos, é de Kapsokwony, província ocidental do Quênia. Ele é formado no programa de Gestão de Negócios e Contabilidade da Universidade Moi do Quênia e atualmente é voluntário na Rádio Tulwoob Koony como apresentador, ajudando também nas finanças e administração. Ele é um defensor na proteção da biodiversidade e conservação ambiental, especialmente na área dos direitos de terra dos Povos Indígenas. Em 1992, o avô do Taboi foi obrigado a sair do território Indígena Chepkitale. Atualmente, ele luta pela recuperação de sua terra de herança.


Seu projeto de bolsa, "Produção de Rádios Comunitárias", procura educar e melhorar o meio de vida dos Povos Ogiek. Os programas de rádio serão desenvolvidos por jovens Indígenas que criarão conscientização e soluções para questões de cultura, agricultura, desenvolvimento rural, higiene e saneamento, educação e governança local, entre outros tópicos que possam surgir durante o período do projeto.  O projeto também visa promover a coesão social entre os povos Indígenas através do envolvimento de especialistas comunitários em violência doméstica, resolução de conflitos, construção da paz, gênero e inclusão social, vida familiar e educação moral. O projeto também criará um espaço para explicar políticas e programas governamentais que promovam a responsabilidade e a transparência para as comunidades Indígenas em áreas rurais para o desenvolvimento.

 

Jimena Musicue Casso (Nasa) do Colombia

img

Jimena Musicue Casso (Nasa), 18 anos, é da zona norte de Cauca de Toribio, Colômbia. Ela completou recentemente o ensino médio e fez parte do grupo de teatro Ksxaw Üus conhecido como os "Sonhos do Coração". Ela é membro ativo do grupo de mulheres "Hilando Pensamientos", e membro do Movimento de Mulheres Nasa Produzindo Pensamentos, que é uma organização sem fins lucrativos pertencente ao Conselho Indígena de Toribio São Francisco dedicada a gerar o empoderamento das mulheres Indígenas através da autonomia econômica e participação política.


Sua bolsa, "Apoiando o fortalecimento do movimento feminino em Toribio", procura melhorar as habilidades do povo Nasa a partir de uma perspectiva crítica e descolonizante. Serão ministrados treinamentos de capacitação a 10 mulheres e 5 homens em ferramentas técnicas de comunicação, programação de rádio e desenvolvimento audiovisual. O objetivo é fortalecer os comunicadores Indígenas no movimento de mulheres e tornar visíveis suas lutas e resistência. Quinze programas de rádio e duas produções audiovisuais serão produzidos e traduzidos na língua Nasa Yuwe.


 

Inamatí Xâne Terenoe Colectivo (Terena) do Brasil

O Coletivo Inamatí Xâne Terenoe é um grupo de jovens Terena dos territórios de Taunay e Ipegue composto de sete vilarejos localizados no município de Aquidauana-Mato Grosso do Sul, Brasil. Os membros do coletivo são Adeir Francelino, 26; Cerizi F Failho, 28; Eliamara Massi, 26; e Jonatas Moreira, 26, que são líderes, educadores, comunicadores e pesquisadores. O coletivo foi criado em março de 2022 para fortalecer as práticas tradicionais de Terena através da comunicação que também promovem a valorização da identidade Terena. Eles são guiados por anciãos, artesãos, curandeiros, parteiras e muitos outros guardiões do conhecimento de sua comunidade. O Coletivo compartilha: "Acreditamos que como jovens temos um dever e podemos fazer algo para que nossa identidade não seja esquecida pelas gerações futuras. Uma das maneiras é unir o Conhecimento Tradicional de nossos mais velhos com nosso conhecimento técnico e científico adquirido na universidade".


Seu projeto de bolsa, "Kaxunaka ra vemo'u Terenoe" (Fortalecendo nossa língua Terena), enfoca a proteção do Conhecimento Tradicional e da antiga sabedoria do Povo Terena em olhar para o futuro para fortalecer a identidade, cultura, língua e defesa da terra Terena através de documentação audiovisual. As entrevistas serão conduzidas com Anciãos e detentores de conhecimento, juntamente com intercâmbios entre Anciãos e crianças com a intenção de elevar as histórias compartilhadas e valorizar as raízes ancestrais. Dois curtas documentários serão produzidos como produto final na língua Terena, legendados em português, e distribuídos nas mídias sociais, estações de rádio comunitárias e na comunidade Terena. O coletivo aspira a criar materiais que incentivarão o desenvolvimento do centro de línguas Terena no fortalecimento de sua língua materna para as gerações futuras.

 

Reyna Selena Escobar Martínez (Nahuatpipil) do El Salvador

 
Reyna Selena Escobar Martínez (Nahuatpipil), 25 anos, é da comunidade Tacuba, no departamento de Ahuachapán, El Salvador. Ela é uma líder e comunicadora Indígena que capacita meninas e jovens mulheres Indígenas sobre seus direitos. Ela possui um diploma na área de saúde, o que lhe permitiu aprender sobre a dura realidade que as meninas e mulheres Indígenas sofrem em suas comunidades em termos de sua saúde sexual e reprodutiva. Muitas das meninas que ela encontrou em seu trabalho engravidaram muito cedo, o que aumentou sua defesa na conscientização sobre prevenção e recursos educacionais para meninas e mulheres jovens sobre saúde sexual e reprodutiva. Criada por uma mãe solteira, Reyna é apaixonada por este trabalho e é um modelo a ser seguido por meninas e jovens.


Seu projeto de bolsa, "Mulheres Indígenas têm o direito de decidir por nossa saúde sexual e reprodutiva", visa construir a consciência sobre os direitos sexuais e reprodutivos e a educação através de produções de spots de rádio e pequenos videoclipes. Ela realizará cinco oficinas de capacitação com 25 jovens sobre equidade e igualdade de gênero e direitos reprodutivos sexuais, destacando a história da resistência das mulheres Indígenas. Ela também organizará uma exibição dos vídeos curtos que são produzidos para 50 mulheres Indígenas, seguida de uma discussão coletiva sobre como elas podem se organizar para reivindicar seus direitos.

 

El Colectivo Daje Kapap Eypi (Munduruku) do Brasil

img

O Coletivo Daje Kapapap Eypi, que significa "A Passagem dos Porcos", é uma alusão a um lugar sagrado para os Povos Munduruku. O Coletivo é composto por Gilmara Akay, 27; Rilcélia Akai, 23; e Beka Saw Munduruku, 19, que são cineastas e defensores da terra. Em 2014, durante a primeira fase de auto-demarcação do território Indígena Munduruku Daje Kapap Eypi, também conhecido como Sawré Muybu, os jovens começaram a aprender a usar câmeras. Daí nasceu o Daje Kepap Eypi, um coletivo que honra a luta dos Povos Munduruku e documenta as invasões do corte ilegal de madeira na região através de filmes e outros meios audiovisuais com o objetivo de defender o território. Seu trabalho é dedicado à defesa de seu território para garantir a sobrevivência de seus valores ancestrais às futuras gerações não nascidas.


Seu projeto de bolsa, "Levante das Meninas Munduruku", se concentra em tornar visíveis as lutas em defesa das florestas e dos recursos hídricos em seu território, criando documentários curtos para registrar os impactos da exploração madeireira e da poluição ambiental que interromperam a segurança alimentar e a subsistência dos Povos Munduruku, destacando também a importância de proteger e salvaguardar a Mãe Terra. As imagens serão gravadas para abordar a consciência global da gravidade dos danos ambientais e as violações dos direitos dos Povos Indígenas como guardiões da Amazônia.

Country
Issues